Razões e Emoções no MNAC

“Arte Portuguesa. Razões e Emoções” está patente no MNAC, em Lisboa, desde 20 de abril de 2018 até 31 de março de 2019.

Na Ala rua Serpa Pinto

A presente exposição da coleção abrange grande parte do seu arco temporal, desde meados do século XIX até à década de 80 do século XX ocupando a totalidade das galerias do Museu, da Ala da rua Serpa Pinto. Inicia com o retrato, uma temática oitocentista, raramente abordada, em diálogos geracionais de coletivos de artistas e com obras desconhecidas de Miguel Lupi, Luciano Freire, Veloso Salgado, Duarte Faria e Maia e Constantino Fernandes.

Apresentam-se afinidades e permanências entre paisagens românticas e naturalistas, embora distintas na exaltação do sentimento e tratamento da luz natural, nostálgicos simbolismos de finais do século XIX, a partir de obras significativas e de autores pouco referenciados como António Patrício e José de Brito, e destaca-se um conjunto de pinturas inéditas do Legado Veloso Salgado, recentemente incorporado.

O sentido de modernidade das primeiras décadas do século XX, expresso pelas ligações de Amadeo de Souza-Cardoso às vanguardas internacionais, especialmente as suas propostas abstracionistas, articulam-se com os movimentos de contestação de meados do século XX e os novos parâmetros de figuração de Paula Rego, nas galerias principais do Museu. Revelam-se obras raramente mostradas de Emmérico Nunes, António Soares, Abel Manta, Bernardo Marques, Mily Possoz, Jorge Barradas, Hein Semke, Jorge Oliveira e ainda as magníficas colagens de Jorge Vieira.

Esta viagem por cento e cinquenta anos de arte portuguesa permite abordagens a autores e obras raramente mostradas, contextualizando razões, entre emoções e sensibilidades artísticas. A proposta curatorial aponta para uma reflexão sobre os envolvimentos sociais e políticos, e as noções do modo de ser moderno, desde o século XIX, ao distinguir no percurso cronológico, as continuidades e mudanças, os gostos e conceitos, na mais completa coleção de arte contemporânea, a próxima e a original, justificando assim a denominação deste Museu, fundado em 1911.

(M.A.S)


Na Ala rua Capelo

A afirmação do Pós Modernismo na arte portuguesa sucedeu a uma neovanguarda experienciada em período pré e pós-revolucionário, em contexto complexo e ambivalente. O abandono de algumas das linhas estéticas mais radicais, intimamente ligadas a uma utopia económica e política marxista, daria lugar à expressividade de alguns dos conceitos basilares da pós-modernidade como simulacro, autorreflexividade, alegoria, anti narrativa, indistinção entre cultura elitista e popular e uma rejeição de meta-discursos de qualquer natureza. Através de sete núcleos, Retorno à Pintura, Alegoria, Autorreflexividade e Identidade, Anti Narrativa, Distopia da Arquitetura Modernista, Crítica da Paisagem e  Medium e Simulacro, reúnem-se obras da coleção do MNAC-MC, ou em depósito, que se inserem na gramática da pós-modernidade, ou que dela derivam através dos desenvolvimentos por parte de artistas de gerações mais recentes.

Curadoria: Maria de Aires Silveira, Emília Tavares, Emília Ferreira


Informações Úteis: mnac

MNAC

 

Entrada: valor variável

Entrada gratuita no 1º Domingo de cada mês

 

Horário:

Terça-feira a domingo: 10h00 às 18h00

 

Morada:

Rua Serpa Pinto, 4 | Rua Capelo, 13

1200-444 Lisboa

 

Transportes:

Autocarro: 60, 208, 758

Eléctrico: 28

Estação de Metro: Baixa-Chiado

 

Parques de estacionamento mais próximos:

Cais do Sodré, Largo do Corpo Santo, Praça Luís de Camões, Largo do Carmo, Santa Catarina

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.