Ângela Ferreira na Galeria João Esteves de Oliveira

Diamantes, Obelisco e outros de Ângela Ferreira está em exposição na Galeria João Esteves de Oliveira, em Lisboa, desde 4 de maio até 15 de junho de 2018.

Para melhor situarmos os magníficos desenhos com que Ângela Ferreira trata o tema dos diamantes na Áfricado Sul e o do obelisco egípcio do séc XIII a.c., hoje na Concorde, em Paris, transcrevemos excertos de textos de uma mostra na Marlborough, que teve lugar durante a exposição dos diamantes em Londres, e de um outro, este da própria Ângela Ferreira, a respeito dessa maravilha egípcia e, sobretudo, dos gigantescos problemas postos pelo seu transporte:

“Como é habitual, Angela Ferreira toma um local como ponto de partida para os seus projetos. Neste caso, a mina do diamante de Cullinan, na África do Sul, torna-se a fonte dos mitos. Descoberto em 1905, foi até 1985 o maior diamante alguma vez registrado. A pedra passa por uma série de viagens documentadas, pois é dividida em sete grandes diamantes (os dois maiores acabaram na coleção real britânica) e 96 de menores dimensões.

Por outro lado, a própria mina tem uma forte carga simbólica: emblemáticas da estrutura do apartheid, que ajudaram a sustentar, ainda hoje estão no cerne dos problemas de construção da nação Sul Africana.

E, para Ferreira, a mina também é uma estrutura formal. Como artista, através do desenho e da escultura, interessa-se pela forma do enorme buraco na paisagem.”

_______________________________________________________________

“Uma visita recente a Paris permitiu uma inspeção rigorosa do obelisco como uma forma escultural única. A descoberta dos diagramas explicando a maquinaria complexa que foi usada para o abaixar, transportar e reerguer, destacou-se como uma espécie de propaganda pública do acto de remoção desse extraordinário tesouro egípcio.

A história do mundo ocidental é abundante nesse tipo de episódios dos espólios da guerra, que já não se constituem mais como matéria chocante. O que foi surpreendente foi a confiança inerente no simbolismo do acto, e a auto-glorificação descarada mostrada através da reprodução da técnica e metodologia da remoção de tão preciosos monumentos.

Uma espécie de manual de instruções para a remoção desta porção única da herança egípcia. Os desenhos gravados em ouro no pedestal serviram como ponto de partida para a escultura.”

 


Informações úteis:joao esteves oliveira

Galeria João Esteves de Oliveira

Ângela Ferreira

 

Entrada Livre

 

Horário:

Segunda das 15h às 19h

Terça a Sábado das 11h às 19h (Sábado encerra das 13h30 às 15h)

 

Morada:

Rua Ivens, 38, 1200-224 Lisboa

 

Transportes:

Metro de Lisboa: estação Baixa-Chiado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.