Jorge Pinheiro na Fundação Carmona e Costa

Desenhos de Jorge Pinheiro está em exposição na Fundação Carmona e Costa, em Lisboa, desde 23 de setembro até 4 novembro de 2017.

As primeiras pinturas de Jorge Pinheiro – contemporâneas dos estudos em Pintura que concluiu em 1963, na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde estudavam também os arquitetos que viriam a integrar a chamada “Escola do Porto” – caracterizavam-se por uma figuração de pendor realista e um imaginário fértil em alusões ao panorama sociocultural de Portugal à época. Em composições fechadas e através de uma paleta restrita, as figuras e os espaços dessas obras iniciais refletem os silêncios e abandonos de um país subjugado pela ditadura.

Em 1966, e graças a uma bolsa da Fundação Gulbenkian, Jorge Pinheiro realiza uma viagem pela Europa que se viria a revelar fundamental para a inflexão do seu trabalho no sentido da abstração geométrica. Influenciado pelas pesquisas da Abstraccion-Création, pelas propostas da arte concreta, da shaped canvas e, particularmente, pelo pensamento estruturalista, Pinheiro expandiu o seu vocabulário formal e privilegiou, na pintura, no desenho e na escultura, a mecânica das chamadas “formas da expressão”, entendidas como os constituintes basilares da perceção visual.

No início da década de 1970, à presença de modulações geométricas e padrões de alto contraste cromático junta-se uma muito aturada exploração das noções de ritmo e de serialidade, cuja formalização evidencia o interesse do artista pelas áreas da música e do número, em particular pelo dodecafonismo de Schönberg e a série de Fibonacci.

Na viragem para os anos 1980, recuperando o espírito de comentário social, político e cultural das suas primeiras obras, desta feita complementado pelas mais diversas citações da história da pintura, Jorge Pinheiro volta a abraçar plenamente a figuração em telas cujo cunho pós-moderno antecipa e radicaliza alguns dos desenvolvimentos internacionais da década. A segunda década do presente século marca o regresso de Pinheiro à abstração da música e do número.

Texto retirado da página de Serralves.

Curadoria de João Miguel Fernando Jorge

 


Informações úteis: carmona-e-costa

Fundação Carmona e Costa

 

Horário:

De Quarta a Sábado, das 15h às 20h

Fechado aos feriados

 

Morada:

Edifício de Espanha (Bairro do Rego), Rua Soeiro Pereira Gomes, Lote 1- 6º A e D, 1600-196 Lisboa

 

Transportes:

Metro de Lisboa – estação Sete Rios ou Entrecampos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s