Susana Gaudêncio, na Galeria Carlos Carvalho

Objetos de companhia para um mundo aparentemente contínuo, exposição de Susana Gaudêncio, está patente na Galeria Carlos Carvalho, em Lisboa, desde 28 de janeiro até 18 de março de 2017.

“(…) na realidade, não é só aos homens que cada um de nós está ligado por um sistema de influências, é também aos objectos. Portanto, sou obrigado a utilizar uma nova definição, segundo a qual uma sociedade é um conjunto de pessoas e de objectos, ligados por um sistema de influências.”1

Sobre a estranheza do mundo contemporâneo, o filósofo Odo Marquard (1999) declara que “os inúmeros avanços científicos e técnicos existentes numa sociedade impõem um obstáculo acrescido aos indivíduos em adquirir e empregar a experiência num mundo onde o que é familiar e próximo rapidamente se torna estranho.”2 Esta estranheza pode ser fruto de um processo de aceleração da vida e do quotidiano, no qual convergem, por exemplo: uma determinação mais obscura das origens de certos problemas; uma divisão do poder mais volúvel; uma fronteira no acesso ao poder; adversários ocultos; alterações drásticas no ambiente à nossa volta – rural ou urbano, a rápida obsolescência dos objectos, os nossos incontáveis heterónimos sociais e em rede. Tudo colabora para sentirmos o mundo mais nebuloso e ambíguo, vítimas e habitantes de uma caixa de Pandora, numa variante revista e aumentada.

“Objectos de companhia para um mundo aparentemente continuo” habita esta estranheza e estará organizada numa lógica de conteúdos fragmentária ou em aberto. É um registo de caminhadas inacabado – entende-se aqui a caminhada, como método ancestral de viagem crítica, narrativo, que catalisa o conhecimento, o acto artístico e a ficção.

A exposição divide-se em vários capítulos que marcam diferentes momentos desse trabalho de campo realizado nos últimos meses, combinando diferentes pontos geográficos, literatura, artigos científicos, fábulas e outras estórias. Os seus elementos convergem para uma narrativa de imersão, em formato de instalação, que se oferece ao visitante de forma livre e inacabada.

Os objectos apresentados – restos, escombros, pedras, pó, desenhos, fotografias, animações-vídeo, livros, integram a relação entre o legado de conceitos como o impulso utópico, a condição tecno-humana, a extinção dos seres e dos objectos, a estranheza advinda da “grande aceleração” do impacto da actividade humana na camada geológica da terra, bem como a ideia de insularidade enquanto desejo de imaginação, autonomia, isolamento ou refúgio.
1 Friedman, Yona (1977), Utopias realizáveis, Lisboa: Sociocultur
2 Marquard , Odo (1999) Apologia de lo Contingente: Estudios Filosoficos, Valencia: Institucio Alfons el Magnanim


Informações úteis: http://www.carloscarvalho-ac.com

Galeria Carlos Carvalho

Susana Gaudêncio

 

Horário:

Segunda a Sexta das 10h às 19h30 e Sábado das 12h às 19h30

 

Morada:

Rua Joly Braga Santos, Lote F – R/c , 1600-123 Lisboa

 

Transportes:

Metro Laranjeiras

Carris 202, 701, 726, 755, 764, 768

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: