China hoje: a desafiar os limites, no Museu do Oriente

A exposição China hoje: a desafiar os limites, vai estar patente no Museu do Oriente, em Lisboa, a partir do dia 28 de outubro até 18 de dezembro de 2016.

Nesta exposição, os artistas Qui Jin, Du Zhenjun e Lifang apresentam um olhar contemporâneo sobre as inúmeras realidades com que a China hoje se depara, com todas as suas incongruências, disparidades e desigualdades. As dezassete obras analisam, em três linguagens visuais e discursos diferentes, temas como a crise ambiental, o aumento da população, o papel da China na era da globalização, ou as questões da liberdade de expressão e socioculturais, no mundo da cybercultura das redes sociais bem como na criação e liberdade artística, onde a difusão de imagens do corpo humano nu ainda é vista como pornografia.

China Hoje: A Desafiar os Limites articula-se em três núcleos, que correspondem às obras de cada artista e à problemática concreta por eles abordada.

No núcleo Limites para o Crescimento, Du Zhenjun apresenta-nos uma visão distópica das transformações profundas que a China tem vindo a sofrer desde a Revolução Cultural, em oito trabalhos de grande formato. Em técnica mista, o artista cria elaboradas colagens fotográficas que traduzem a ascensão do capitalismo desenfreado das duas últimas décadas e seus devastadores efeitos ambientais como a poluição e a escassez de recursos naturais, ou ainda a explosão demográfica. Em todos os trabalhos, a Torre de Babel do capitalismo ergue-se no fundo da imagem, numa alegoria à estória bíblica da destruição que se abateu sobre a humanidade para castigar a sua ambição cega.

O conjunto de seis pinturas que compõe Liberdade de Expressão, da autoria de Li Fang, é dedicado a um dos direitos humanos fundamentais consagrados na Declaração Universal de 1948. Produzidas em 2012, estes óleos sobre tela quase impressionistas retratam dois episódios do percurso do artista Ai Weiwei, e da repressão que foi alvo. Em 2011, Ai Weiwei pousou nu com as suas quatro assistentes do atelier, e posteriormente difundiu as imagens nas redes sociais afirmando que “nudismo não é pornografia”.

A rede social Facebook censurou as imagens, desactivando a página do artista. Ai Weiwei continua a lutar por maior transparência e liberdade para o domínio público na China, luta essa a que Li Fang pretende dar continuidade com estes nús de Ai Weiwei, sozinho e na companhia de vários homens e mulheres. O espaço de liberdade pretendido é também digital – o Facebook, Twitter, Wikipedia e Youtube estão bloqueados na China, e o motor de busca Google permanece sem condições para operar.

No núcleo Cidadania Cultural, Qui Jin defende a garantia de direitos culturais a todos os cidadãos, com vista a gerar uma nova consciência política, através da possibilidade de fruição, experimentação, informação, memória e participação que a cultura representa. Nos seus intrincados desenhos a carvão, técnica chinesa ancestral, surgem o Presidente Obama, uma pinup, um soldado da Revolução ou um retrato de Mao Tsé-Tung com cabeça de gato. Sarcástico, o trabalho de Qui Jin poderá ser descrito como “pop político”, por confrontar a história da sociedade chinesa com imagens da cultura popular ocidental, retratando a ambivalência do percurso pessoal deste artista chinês, a viver fora do seu país.

O discurso curatorial de China hoje: a desafiar os limites baseia-se no trabalho do investigador e físico australiano Graham Turner, “A Comparação dos ‘Limites do Crescimento’ com a realidade de trinta anos” (2008). Através das obras de Qui Jin, Du Zhenjun e Lifang, a exposição constrói uma narrativa visual que interroga questões prementes como os limites da sustentabilidade ambientais, a procura da identidade chinesa ou a luta por uma maior liberdade de expressão, suscitando uma reflexão sobre o papel da China no mundo actual.

Curadoria | Helena Silva Correia


Informações úteis:

Fundação Museu do Oriente museu-do-oriente

 

Entrada: 

0-5 anos: Gratuito

6-12 anos: € 2,00

Adultos: € 6,00

Mais de 65 anos: € 3,50

Estudantes: € 2,50

Família (dois adultos com três menores de 18 anos): € 14,00

Sexta-feira das 18.00 às 22.00: Entrada gratuita

 

Horários:

Terça-feira a domingo das 10h00 às 18h00

Sexta-feira das 10h00 às 22h00 (entrada gratuita das 18h00 às 22h00)

Encerrado à Segunda-feira, 1 de Janeiro e 25 de Dezembro

 

Morada:

Avenida Brasília, Doca de Alcântara (Norte), 1350-352 Lisboa

 

Transportes:

Autocarros

12 – 28 – 714 – 738 – 742

Eléctricos

15E – 18E

Comboios

Linha de Cascais (Estação de Alcântara) *

Linha da Azambuja (Alcântara-Terra)

* Na estação de Alcântara existe uma passagem subterrânea para peões com saída junto ao Museu.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: